quarta-feira, 4 de abril de 2012

CRÔNICAS DE ROEDOR - 1º FRAGMENTO - O PRIMEIRO RATO LETRADO

 Um Rato começou a questionar o mundo, há muito, muito tempo.
Ele não era um rato qualquer, isto está claro, pois ratos não costumam questionar nada que não se pareça com comida, possíveis predadores, potenciais parceiros sexuais e vez ou outra qualquer coisa que apenas se pareça com as anteriores... Assim são os ratos! Isto é... Com a exceção daquele rato...
No começo ele era como os demais ratos e sua vida resumia-se aos três itens que ditam a vida de qualquer bom rato; comer, não ser comido e multiplicar-se.
Mas isto foi apenas no começo...
Um dia algo aconteceu; ele roeu alguma coisa que não fora feita para os ratos roerem! E olha que os ratos possuem uma lista de coisas "roiveis" realmente extensa!
Esta coisa parecia-se com um bloco e tinha um traiçoeiro cheiro comestível. Era um livro. Mas não um livro do tipo que encontramos em uma prateleira, em uma escrivaninha ou em uma loja de livros... Era um livro do tipo que se esconde nas profundezas da terra ou em caixas metálicas que vagam sem rumo pelo céu em meio às estrelas...
Era um livro, de certa forma... E de certa forma não era!
Após roer o livro o rato sentiu-se estranho; estranhamente estranho! Sentiu-se como se ele tivesse sido roído ao invés de roer! Assim era aquele livro; se o rato já soubesse ler e houvesse lido aquele livro, provavelmente sentir-se-ia como se tivesse sido lido e não o contrário.
Aquele livro tinha algo de “Letrado”! Algo de consciente! Algo que lhe fazia mais sujeito do que objeto!
Mas o rato ainda não conhecia estes conceitos para refletir sobre isso! Aquele foi o estopim, mas ainda assim, foi apenas o começo! O começo de um novo rato e de uma nova era para todo um mundo de seres!
Aos poucos, enquanto roía e roía... O livro parecia-se cada vez menos com um livro... cada vez menos com uma coisa que parecia comida e começava a se parecer mais e mais com o próprio rato! E esta foi a primeira confusão a instalar-se como um clarão na cabeça daquele roedor; o rato começou a roer uma coisa que parecia comida e que era um livro... e ao mesmo tempo não era... e percebeu em dado momento que roía a si próprio!
Largou então a ponta da cauda, olhou em volta e questionou o mundo a sua volta pela primeira vez dizendo: o que diabos eu estou fazendo?
Assim o rato deixou de ser rato e tornou-se um Rato Letrado!
E assim os Ratos Letrados separaram-se dos ratos comuns!
Além do mais aquele não era apenas um Rato Letrado; pois até mesmo os ratos letrados modernos nascem, envelhecem e morrem. Mas aquele primeiro rato letrado... O Rato Letrado número Um ou o Um Rato Letrado, apesar de ter nascido na aurora do mundo dos ratos - que provavelmente também era a aurora dos homo sapiens sapiens - ainda não morreu e continua vivendo e vivendo, enquanto questiona o mundo e coleciona escritos em sua Biblioteca Subterrânea! Ele ainda vive e relata em seus escritos as suas descobertas e “indescobertas” sobre o mundo. Por isso dizem que ele é o maior conhecedor do Universo... Embora ele próprio diga o contrário a respeito de si mesmo: “Justamente por saber mais que todos os outros eu sou o que menos sabe sobre qualquer coisa no Universo”!
Assim ele é; um alguém que não consegue deixar de ter consciência do mundo a sua volta. E para todos nós ele é o Rato que Mais Sabe!
Um Rato Letrado; o primeiro Rato Letrado e talvez pai de todos os Ratos Letrados! Senhor da Biblioteca Subterrânea dos Ratos! E provável dono da maior coleção de Perguntas e Respostas - e também “Desrespostas” - de todo o Universo conhecido.
Talvez ele saiba como Nanquim possa desfazer sua maldição!
Sim, pois Nanquim, o jovem rato letrado que surgiu recentemente nas imediações do Beco Matrix, situado no distrito de Oz-City é um amaldiçoado... Ou meio amaldiçoado... Ou se preferir um meio-maldito!
Um Rato Letrado que se transforma em Humano... Ou seria um Humano que se transforma em Rato Letrado??? E qual das suas transformações é a metade maldita???
Talvez estas sejam apenas mais perguntas para o primeiro Rato Letrado responder! Ele que é o roedor do Livro que não era livro e senhor da Biblioteca Subterrânea.
Mas cuidado, o Rato Letrado, o primeiro deles, pode lhe responder uma “desresposta”; ele pode olhar em seus olhos com seus profundos olhos negros de roedor, ostentando seus bigodes imponentes e dizer "Se você fizer uma pergunta sobre o mundo e obter uma resposta que pareça clara e convincente, só ganhará uma coisa com isso: o mundo lhe parecerá menos crível"!

 

Nenhum comentário: