terça-feira, 20 de março de 2012

PROBLEMAS DE MEMÓRIA? CONSTRUA UM CASTELO!!!



Não consigo lembrar qual era o tema desta postagem...

Deixe-me ver... Vou ter que consultar minha memória! Vejamos...

Estou em uma sala circular iluminada fracamente pela luz bruxuleante de alguns archotes presos às paredes. Este é o meu ponto de partida em minha cabeça; é um lugar em minha mente a partir do qual eu posso chegar a qualquer lembrança. Agora eu devo escolher um dos quatro portões de ferro desta sala circular.

Vou escolher o portão onde há uma placa de madeira com a palavra “Norte”.

Atravesso o portão e sigo por um enorme corredor; uma verdadeira galeria subterrânea na qual várias portas e portões levam às informações armazenadas em minha mente.

A primeira porta que encontro no caminho esta à esquerda do corredor e ela chama minha atenção. É uma porta de ferro ainda em bom estado com as inscrições “Ontem! Procure por assuntos recentes!”.

A informação que busco é recente! Então talvez seja de ontem!

Atravesso a porta e saio em um amplo saguão. Reparo que o piso deste saguão parece com um enorme mosaico, o qual não consigo compreender muito bem.


Então subo um lance de escadas que me leva a um corredor do qual consigo ter uma visão aérea do piso. São imagens. Imagens recentes...

Vejo um castelo desenhado no centro do piso e abaixo do mesmo vejo o nome “memória”.

É claro! Era isso que eu precisava lembrar. Este Post é sobre o que significa “Palácio da Memória”.

Também há outros desenhos neste piso. Um papel com anotações a esquerda do desenho do castelo (as quais não consigo ler). O desenho de um livro com um caveira na capa acima do desenho do castelo. O desenho de uma multidão de criaturas demoníacas com cara de “pouco inteligentes” num canto abaixo do castelo, algumas das criaturas seguravam telefones, outras carregavam  notebook’s, algumas puxavam os próprios cabelos, outras tinham muitas bocas (cheias de dentes e com mais de uma língua). Nenhuma destas criaturas possuíam ouvidos!!! Abaixo desta multidão de criaturas amontoadas há uma inscrição com o nome “trabalho na empresa xyz” (esta imagem é bem clara para mim e dispensa explicações – são os usuários da empresa na qual trabalho como analista).

Cada uma destas imagens possuem tamanhos distintos. O “palácio com a inscrição memória” é uma imagem grande. O livro com uma caveira na capa também é uma imagem grande. O papel com as anotações que eu não consigo ler possui um tamanho mediano. A multidão de seres diabólicos é uma imagem menor (são as atividades [problemas] que me aguardam na empresa onde trabalho).

Suponho que o tamanho das imagens e sua posição mostram a relevância daqueles assuntos para mim.

Ao olhar para o centro da imagem vejo o castelo, o assunto central na minha mente. O livro está acima, quando olho para cima eu vejo algo que eu almejo alcançar. O papel ao lado do castelo é um assunto que não é meu foco por vontade própria, mas é importante e não posso esquece-lo (por isso ele está ao lado do castelo). O trabalho está abaixo, em um canto (acho que dispensa comentários – abaixo a cabeça resignado quando lembro das atividades que atualmente provém meu sustento).

Olho ao redor e reparo que o corredor no qual estou, que me dá uma vista aérea do piso do saguão de entrada, possui várias portas. São salas relacionadas às imagens do piso.

Cada uma delas possui desenhada (em escala menor) na porta uma das imagens do piso.

Entro na sala onde há um pequeno castelo no centro, também com a palavra “memória” grafada logo abaixo.

Nesta sala vejo uma séries de objetos; uma maquete de um pequeno castelo, uma maquete do templo Zu Lai, um livro em cuja capa está escrito “palácio da memória em PDF por R$200+algunsquebrados”. Também há na sala um pequeno computador em cuja tela pisca o seguinte alerta “pesquisar sobre Palácio da Memória”. Há ainda uma série de cartazes na sala com várias informações soltas como “postar no dia 20/03/2012”.

Olhando para uma das paredes da sala eu vejo no alto da mesma uma TV de tela plana na qual passam repetidamente as cenas da série de TV chamada “O Mentalista” ou “Mentalista” (as cenas estão vagas – assim como o nome – porque não cheguei a assistir a série – mas a conheço).

(recomendo este video no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=4H_rGEzW5Ug)

Todos os itens desta sala me fazem lembrar de detalhes relacionados ao post que planejei sobre “Palácio da Memória” e de como tive a ideia de fazer o post.

Tudo começou com meu irmão falando que queria visitar o Templo Zu Lai para construir uma referencia mental para fazer o seu próprio palácio da memória.

Ele mencionou também que queria comprar o livro, mas só encontrou na livraria cultura na versão “PDF” (em arquivo) pelo valor duzentos reais e uns quebrados (muito caro para ele e para mim – você pagaria mais de duzentos reais em um livro em pdf???).

Mais uma informação importante que meu irmão mencionou é que na série de TV “O Mentalista” (ou algo assim) há um episódio em que o personagem principal ensina como usar a técnica do Palácio da Memória (que eu tentei exemplificar acima – não sei se com êxito).

Voltando então ao meu exemplo...

Suponho que nas demais salas do castelo do “Ontem” há objetos relacionados  aos detalhes dos outros desenhos do piso.

Temo então o que me espera na sala correspondente ao desenho dos seres diabólicos. O que será que me espera aquela !@#$%¨&* empresa???

Resumindo, o palácio da memória é um método de memorização que se baseia na construção de um ambiente imaginário como um castelo, uma casa, uma feira mercante (este é um exemplo que eu vi na wikipedia e que achei bem legal - http://pt.wikipedia.org/wiki/Pal%C3%A1cio_da_mem%C3%B3ria), um labirinto, uma torre, uma estação espacial, etc.

Neste ambiente imaginário você cria espaços para armazenar ancoras que auxiliam a lembrar alguma coisa relacionada ás ancoras criadas.

Vamos supor que seu “palácio da memoria” é uma torre em que cada andar corresponde a uma sala. Os andares são numerados e ao invés de haver uma escada há um elevador de vidro (ou qualquer coisa assim) que leva para o andar que você quiser.

Poderia haver nesta torre um andar para armazenar números de telefone. Neste andar você poderia (por exemplo) manter uma estátua de cada pessoa de sua lista telefônica e junto as estátuas poderiam haver formas geométricas que te façam lembrar os números de telefone, ou cores, ou uma mistura dessas coisas.

Para mim os números poderiam ser representados assim:

“Zero” me lembra de “Zero”, um personagem de um game (Rockman) das “antigas”.
“Um” me lembra o “Um Anel” de “O Senhor dos Anéis”.
“Dois” me lembra um circulo; no qual só há dois lados: o de dentro e o de fora.
“Três” me lembra uma fatia de pizza, um triangulo com três lados e três cantos.
“Quatro” me lembra um quadrado; pura e simplesmente.
“Cinco” me lembra um pentagrama; tão simples quanto o exemplo do quatro.
“Seis” me lembra o desenho “Os Seis Biônicos” (desenterrei essa hein).
“Sete” me lembra o “Sétimo”, um vampiro do livro do André Vianco chamado “Os Sete”.
“Oito” me lembra o oito mesmo; é um número fácil de memorizar (para mim pelo menos) e geralmente não preciso de associações para ele.
“Nove” me lembra a raposa de nove caldas do anime japonês Naruto.

Você transforma os números em imagens, personagens, sons, cores... Enfim... Você cria uma ancora para lembrar de uma sequencia de números. Coloca esta sequencia de itens mentais (ou ancoras) junto da estátua da pessoa a qual corresponde o número de telefone e toda vez que você quiser lembrar o número dessa pessoa basta você visitar o andar da sua “Torre da Memória” e procurar a estatua e as ancoras que você criou.

Pelo menos é assim que eu faria, caso eu possuísse uma versão do “palácio da memória”.

Para quem quiser saber mais sobre como construir um “palácio da memória” eu deixo aí o link para o site da companhia das letras (http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=10009) no qual há um livro “O Palácio da Memória de Matteo Ricci”. Pela sinopse do livro ele aborda mais a vida de Ricci, que usava o método do “Palácio da Memória”.

Também há o site Sophia Perennis (http://www.sophia.bem-vindo.net/tiki-index.php?page=Ricci+Memoria) que possui excertos do livro que citei anteriormente.

Por hoje é só.

Até o próximo POST...

Mas antes... Que tal deixar uma pergunta para vocês?

Se você fosse construir um “Palácio da Memória”, com o que ele se pareceria????

Um comentário:

Atsuki disse...

ótimo post amigo! respondendo: Começaria com um espaço pequeno e que conheço cada centímetro, no caso o meu quarto.

Um grande abraço!